Social Icons

twitterfacebookShalomvaticanorss feedemail

19 de fevereiro de 2011

O Prejuízo do Amor

Tomamos tantos prejuízos indesejados na vida, não é? Mas existe um que precisamos assumir com gosto. Por isso, resolvi transcrever algumas palavras do Pe.Fábio de Melo em um show que ele fez. Vale muito a pena assistir o vídeo na íntegra também: http://www.youtube.com/watch?v=3uPBQldLXqQ


“Cada vez que São Paulo tentava explicar o significado da cruz, ele dizia: ‘É loucura!" Não tentem os inteligentes compreender o significado de um homem morrer pelos pecadores, não tentem compreender o significado da morte de um homem que não tinha culpa alguma por um povo culpado. Não tentem entender…

A mesma coisa eu digo a você: não tente entrar na lógica dos amores que você ama! Você vai ficar louco ou vai ser considerado louco, porque você leva o mesmo prejuízo da cruz cada vez que você ama, e não há nada que possa nos identificar mais com o Cristo Crucificado do que o momento em que amamos alguém, sabe por quê?

Porque é o momento que você toca aquilo que você tem de mais precioso e puro, é o momento que você descobre dentro de você todo aquele sentimento mais puro, por uma razão muito simples, é a água mais limpa que Deus deu a você; é a sua capacidade de amar.

Não estou falando dos amores interessados. Eu não estou falando das amizades interesseiras, dos casamentos por conveniência, não! Eu estou falando do momento em que você se volta para aquele que não merece o seu amor, e, mesmo assim, o ama com toda a capacidade do seu coração. É disso que eu estou falando…

Eu tenho a alegria de poder dizer que nessa vida eu levo o prejuízo o tempo todo. Mas eu me elevo em cada prejuízo que levo, porque cada vez que consigo amar sem interesse, cada vez que posso me doar a alguém, é o meu coração que ganha em qualidade. E você sabe muito bem disso!

Quantas vezes o seu amor pareceu prejuízo aos olhos dos outros, quantas vezes as pessoas olharam para você e disseram: “você é um idiota”, “você é um louco!”. Não importa! Não importa o que dizem! É o que você tem de mais puro, é o que você tem de mais precioso…

Mas aí você pode dizer com essa frase que Lulu santos escolheu para colocar nesta música: “o que eu ganho e o que eu perco, ninguém precisa saber!”

“O que você ganha e o que você perde ninguém precisa saber, é seu!”



Esse é o prejuízo que eu tenho e quero sempre ter na vida...

8 de fevereiro de 2011

Deus e o Sofrimento

Sempre que vivo algum desafio grande, sempre que passo por um tempo de dor, onde o silêncio de Deus rasga meu coração; gosto muito de rezar com esse trecho da Encíclica Deus é Amor do Papa Bento XVI. Nós, cristãos, escolhemos o caminho mais estreito, porém, os desafios nunca podem calar a certeza do grande Amor de Deus por nós. Se não temos essa certeza, nosso testemunho é vazio. Espero que esse breve texto ajude cada coração sofrido a buscar permanecer de pé no Amor:

"Muitas vezes não nos é concedido saber o motivo pelo qual Deus retém o seu braço, em vez de intervir. Aliás Ele não nos impede sequer de gritar, como Jesus na cruz: « Meu Deus, meu Deus, porque Me abandonaste? » (Mt 27, 46). Num diálogo orante, havemos de lançar-Lhe em rosto esta pergunta: « Até quando esperarás, Senhor, Tu que és santo e verdadeiro? » (Ap 6, 10). Santo Agostinho dá a este nosso sofrimento a resposta da fé: « se O compreendesses, não seria Deus ». O nosso protesto não quer desafiar a Deus, nem insinuar n'Ele a presença de erro, fraqueza ou indiferença. Para o crente, não é possível pensar que Ele seja impotente, ou então que « esteja a dormir » (cf. 1 Re 18, 27). Antes, a verdade é que até mesmo o nosso clamor constitui, como na boca de Jesus na cruz, o modo extremo e mais profundo de afirmar a nossa fé no seu poder soberano. Na realidade, os cristãos continuam a crer, não obstante todas as incompreensões e confusões do mundo circunstante, « na bondade de Deus e no seu amor pelos homens » (Tt 3, 4). Apesar de estarem imersos como os outros homens na complexidade dramática das vicissitudes da história, eles permanecem inabaláveis na certeza de que Deus é Pai e nos ama, ainda que o seu silêncio seja incompreensível para nós."