Social Icons

twitterfacebookShalomvaticanorss feedemail

24 de março de 2011

Alguma coisa sobre a Saudade...



Ei, se a saudade chegar, não deixe que ela vá embora sem que você saiba quem é!


Pergunte seu nome, descubra seu jeito e de onde ela vem. Não demonstre que ela não estava sendo esperada, seja educado e tente tratá-la com respeito. Apesar de ter má fama, a saudade pode ser menos ofensiva se for vivida com um pouco de esperança e de fé.

Não queira prever sua permanência, geralmente, ela se instala de vez. Mas não se preocupe, pois ela vem bem acompanhada. A saudade, dificilmente, chega separada do amor. Se ela bater à sua porta, algo certo você deve ter feito. Talvez, ela te encontre depois que você tiver o coração habitado por alguém. Talvez, ela venha prestar contas daquele laço que você criou. Talvez, ela seja o termômetro do teu amor.

Se a saudade tomar teu espaço e te fizer perder o ar, tenha paciência com ela, ela não tira nada do lugar. Ela não arranca pedaço, mesmo que você sinta exatamente o contrário! Tente ver pelo lado positivo; ela está te ensinando a dividir. Não tenha medo da saudade. Tenha medo de não ser considerado digno dela. Com o tempo, ela se torna uma fiel companheira, daquele tipo que fica conosco a vida inteira.

Quem sabe viver com a saudade, aprende a não resistir ao amor; se torna menos solitário e descobre a força do permanecer. Quem aprende a conviver com a saudade, tem um coração bem marcado, vencedor da distância, conquistado pela pertença e amigo da gratidão. Quem deixa a saudade entrar, não deixa o amor sair.

20 de março de 2011

O quanto você me deixa te amar?

"Para expressar o amor humano a gente usa a poesia; para expressar o Amor Divino a gente precisa deixar que o Espírito nos inspire." (Moysés Azevedo – fundador da Comunidade Católica Shalom)

Segundo texto inspirado pela frase acima. Imagine que Deus te faça a seguinte pergunta: “O quanto você me deixa te amar?” Eu acho que Ele poderia responder algo assim:

Ainda falando sobre o meu amor, preciso dizer que você resiste muito! Não vou te ferir e não pretendo me afastar. Sei que teu coração parece que se “fechou para balanço”, porém, também sei que ele foi muito exposto ao perigo da falsidade, da incompreensão, da indiferença e do desamor. Sei que confiar hoje é um desafio quase intransponível. E sei que o “amor” foi distorcido e foi dividido em pequenos pedaços.

Mas olha, eu jamais mexeria em uma ferida se não fosse para curá-la. Eu jamais te ofereceria algo que não pudesse te dar e eu jamais desrespeitaria a tua história e o que você já viveu. Vou cercando a muralha com cuidado e investigando as brechas. Vou achando um jeito de entrar por onde outros saem. Minhas mãos tocam com suavidade o solo sagrado da tua vida e meu amor vai amolecendo a terra da tua solidão. Meu amor vai dando sentido e trazendo novo ar onde a mágoa tomou todo o fôlego.

Lembre-se que meu amor te traz de volta à vida. Meu amor vence a tua dor. Meu amor te refaz e refaz e refaz e refaz. Não deixes que o medo te proteja do amor, deixa que o amor te proteja do medo. Tenha coragem de arriscar tudo de novo, de se jogar nos braços de alguém novamente. Meu abraço é um lugar seguro. Deixa que eu te ame mais. E só posso fazer isso se eu puder estar mais perto, posso entrar de vez na tua vida?

12 de março de 2011

O quanto você sabe que eu te amo?


"Para expressar o amor humano a gente usa a poesia; para expressar o Amor Divino a gente precisa deixar que o Espírito nos inspire." (Moysés Azevedo – fundador da Comunidade Católica Shalom)

Essa frase ainda vai inspirar muitos textos, esse é o primeiro deles. Imagine que Deus te faça a seguinte pergunta: “O quanto você sabe que eu te amo?” Eu acho que Ele poderia responder algo assim:



O quanto você sabe que eu te amo?


Muitas vezes, não digo o que você gostaria de ouvir e nem faço o que você gostaria que eu fizesse. Às vezes, pode até parecer que eu não ouço muito bem ou que não presto muita atenção no que você fala. Talvez, você esperasse um pouco mais de mim em alguns momentos e nem consiga mais se surpreender quando supero as suas expectativas. Talvez, você sinta muito a minha ausência porque não invado a sua liberdade. Talvez, você possa se sentir solitário quando a minha presença é disfarçada. Sei também que é difícil para você entender que meu tempo é diferente do seu tempo, assim como a minha forma de amar é diferente da sua.

Porém, tem algo que eu preciso que você saiba. Queria que você soubesse que nem sempre você consegue perceber o quanto o seu sorriso me alegra ou o quanto suas lágrimas me doem. Com certeza, você não poderia calcular o tempo que eu espero por você em silêncio ou o quanto meus olhos te acompanham a cada instante, lanço um olhar constante de quem sempre está bem perto. Faço incontáveis loucuras para endireitar os seus caminhos quando eles estão meio tortos. A minha paciência histórica não para de se superar quando confio em você mais uma vez e acredito no seu desejo de me amar. Cuido de você quando todos vão embora e vejo o seu sofrimento na proporção exata que ele tem. Compreendo seus medos mais do que você e não me assusto com a sua inconstância.

Teria muito mais para dizer do meu amor. Mesmo assim, acho que você nunca saberá o quanto eu te amo. Mas se você quiser conhecer mais esse meu amor, eu terei o tempo de hoje e a eternidade toda para te mostrar. Vamos começar hoje?

3 de março de 2011

"QUE EU VEJA"



"Então Jesus lhe perguntou: “Que queres que eu te faça?” O cego respondeu: “Mestre, que eu veja!” (Mc 10,51)


Que eu veja! Que meu olhos se abram! Preciso de um olhar mais profundo e de mais tempo olhando para o que está dentro. Quero que minha visão ultrapasse os muros e que não pare nas aparências. Quero mais do que um sentido, não quero enxergar sem ver. Preciso de um olhar mais atento, um jeito de ver diferente, uma lente de aumento e um horizonte ampliado. Quero ver o escondido e encontrar o que está perdido. Quero olhar sem a venda do medo. Quero olhar com o coração. Quero aprender a contemplar. Quero ver esperança, rever lembranças e mirar no presente. Quero ver além de mim. Quero olhar mais o outro, demoradamente, descobrindo quem ele é. Quero a visão da cumplicidade, o olhar do respeito e os óculos do amor. Quero o olhar concentrado, com o ponto fixo no essencial. Não quero ver só com os olhos, quero enxergar pela fé. Que eu veja com outros olhos. Que eu veja o que Deus quiser.