Social Icons

twitterfacebookShalomvaticanorss feedemail

16 de dezembro de 2012

Os Inocentes de Hoje


Tenho refletido muito sobre a realidade do mundo de hoje e sobre  o temor sempre presente em mim de ouvir por meio do noticiário, a narração de atos reais de violência que parecem concorrerem entre si quanto ao quesito de maior brutalidade. Porém, nos últimos dias, tenho pensado bastante nas crianças, pois elas,  ao meu ver,  têm sido grandes vítimas da atual sociedade. 

Coisas inimagináveis! Mãe que mata seu filho para comê-lo, pais que esquecem seus filhos ou que os abandonam, crianças vendidas, prostituídas, traficadas, leis que permitem o aborto como se a criança fosse parte do corpo da mulher que se acha no direito de mata-la. Tantas crianças que têm sua existência abruptamente encurtada em prol de interesses pessoais. Enfim! Gostaria que os exemplos não fossem tantos. 

Fico mais perplexa porque Jesus, “mesmo sendo Deus”, se submeteu à fragilidade de uma criança, sentiu em sua pele, em seu corpo, a vulnerabilidade da dependência, a necessidade do cuidado, do amor, da responsabilidade de alguém que o tomasse para si.  Jesus Menino! Jesus Criança! Jesus Encarnado, Abaixado, Humilde, Pequeno e Humano. O mesmo Jesus que hoje tem seu coração dilacerado ao ver seus prediletos serem maculados pelo mundo que não os entende, não os deseja mais.

O massacre mais recente aconteceu nos Estados Unidos. Vinte crianças mortas, assassinadas, roubadas de suas vidas enquanto estudavam. O pai de uma das vitimas, no auge de sua dor, disse à imprensa mundial que o “único crime” que sua filha de seis anos havia cometido, tinha sido o de ser uma criança sorridente. Essas famílias não conseguirão celebrar o Nascimento no Natal da mesma forma, ao mesmo tempo, só a atualização deste Nascimento trará Consolo aos seus corações.

Quando Jesus nasceu, muitas crianças foram mortas, pois um “Rei” tirano queria matar Jesus Menino. Esses foram os Santos Inocentes da época. Os santos inocentes de hoje não morrem mais pelo Menino, morrem porque os homens não conhecem o Menino Deus. O tom grave do texto não alcança a dor da perda de um filho, mas deixa seu silencioso grito de protesto, de esperança, de intercessão de quem acredita que sem Jesus, o mundo tem sangue, muito sangue inocente em suas mãos. 

Jesus, vem nascer em nossos corações!

17 de novembro de 2012

Débora


A sua foto amarelada não consegue refletir a força da sua presença entre nós, mesmo depois de tantos anos. Seu sorriso, mesmo breve, eternizou em nós a esperança do reencontro no Céu. A sua vida foi um marco da Bondade de Deus e a sua morte um atestado da Sua Misericórdia, que descobre nos caminhos mais improváveis e dolorosos uma maneira de nos encontrar para sempre. Deus nos encontrou por você, pela sua vida e pela sua morte. Pela rapidez com que nos deixou e pelo seu coração puro unido ao de Deus, pudemos experimentar o Amor, incompreensível Mistério de Salvação, Mistério da Mão que não é curta para nos alcançar, mas que sabe também se deter em silêncio, em respeito ao Seu Grande Desígnio de Amor. A certeza de que você abriu as portas do céu para nossa família é tão real quanto a saudade sentida a cada dia, sem exceção.  Contamos com a sua intercessão de filha e de irmã, e contamos também os dias para te ver de novo, para ouvir teu coração refeito e louvarmos juntos ao Nosso Deus Perfeito que mesmo na dor, nunca nos faltou.

Com amor para Débora, minha irmã que chegou ao céu antes de nós!

28 de outubro de 2012

A Matemática de Jesus

Os números, as somas e as quantidades tendem a esconder a grandeza da unicidade da pessoa humana quando estatísticas e metam valem mais do que seres. Ser um só já é suficientemente  relevante. Por uma pessoa só o Amor morreu na cruz, por uma pessoa só! Não se pode calcular o valor de uma alma, o preço de uma vida, o fascinante segredo de um só coração.  O homem pode almejar alcançar multidões, mas seu maior desejo é de ser único para quem ele decidiu amar. O homem pode estar rodeado de numerosas pessoas, mas em seu íntimo, deseja a companhia de quem o ama de verdade. Uma só pessoa é capaz de ser imagem e semelhança de Deus, uma só pessoa pode justificar o espanto e o assombro que se tem quando se conhece o Bom, o Belo e o Justo. Uma só pessoa pode apresentar o Eterno. Um só amigo já muda o seu mundo inteiro. Uma só mãe já ensina o amor. Um só pai já protege toda uma família. Uma só mulher já humaniza o homem. Um sim só já salvou a humanidade. Por isso, a missão, por maior que seja, vale a pena por uma só alma que aprende a amar a Deus. Que os números nunca ofusquem o que não se pode somar, que o quantitativo dê lugar ao qualitativo, que  as metas sejam mais humanas e que o cristão aprenda a matemática de Jesus que deixou  noventa e nove por uma só....

18 de setembro de 2012

O que é intensidade?

O que é intensidade? Mais do que expressão do valor numérico de uma grandeza, intensidade é uma força. Uma vibração mais ampla, um som em tom maior, uma proporção aumentada, um impulso mais imponente. Intensidade é estar apaixonado, é ter uma fé destemida, é ser uma ousadia não velada.  Intensidade é algo que motiva, que entusiasma, que arrasta sem precisar de palavras. Intensidade é lançar-se por inteiro, tudo dar, nada reter, sem poupar esforço, sem guardar para depois.  Intensidade é estabelecer novos limites, é rasgar a alma e despir o coração. Intensidade é colorir a vida, é exaltar os detalhes, é olhar de um jeito único para o que todo mundo consegue ver. Intensidade é alargar a esperança, intensidade é saber o que realmente se quer. Intensidade é ser diferente, é  ser um pouco “louco varrido”, é atestado da liberdade de ser quem se é.  Intensidade é ser jovem de espírito, é estar sempre em movimento, é abraçar e lutar sem desistir. Intensidade é explosão de sentido, é nunca ser vencido pelo medo do que não se quer. Intensidade é amor para sempre, é compromisso com fidelidade, é verdade proclamada na vida, é coerência sem inconsistência.  Intensidade é isso e muito mais. Exemplo? Para mim, a personificação da intensidade é o Amor de Deus.

17 de setembro de 2012

Bendito Mistério!



Do nascer ao entardecer da vida, esconde-se sempre o Mistério que controla disfarçado o tempo. Nos percalços do caminho é necessário aprender a administrar o desconhecido, sem pretender ignorá-lo ou dominá-lo. Bendita escuridão que torna a Luz tão importante! Bendito inalcançável que alcança a matéria frágil, sem oprimi-la, mas libertando-a do orgulho de tudo pensar compreender. Bendita pequenez do intelecto, bendita razão cega, bendita hora que não se tem o controle de tudo, bendita vida que não se deixa aprisionar pelos planos traçados!  Bendito homem que se confia ao Mistério, sem sentir-se diminuído por ele. Bendita história que aceita não compreender, que aceita caminhar sem ver, que aceita crer para entender. Bendito homem que não teme seu desconhecer, bendito quem viver para ver.  Como uma brisa que aos poucos modifica a paisagem, como um artista que devagar vai lapidando sua obra, como uma semente que um dia brota, assim os mistérios vão sem pressa se apresentando, sem revelarem-se totalmente, mas deixando um sabor de surpresa, de espanto e de perfeição. Bendito homem que se deixa guiar por Deus! A esse homem o mistério não assusta, mas faz parte do cotidiano de quem aprendeu a administrar o fato de não poder controlar as coisas eternas.

13 de julho de 2012

Somos um povo fulano de TAU


Somos um povo fulano de TAU.  Um povo novo, uma Obra Nova.  Não por presunção, mas santidade para nós é questão de vocação. Somos conhecidos como um povo que reza demais, mas para quem Só Deus Basta e quem quer Amar o Amor, haja oração! Ainda mais se a nossa fraqueza é tão evidente e iminente, pois diante de tanta miséria, só um coração inflamado de amor... Um coração esponsal, disposto a partir em missão. Uma vida de renúncia para com coragem anunciar Aquele que Ressuscitou. Um povo que levanta os braços, que ora em línguas e que existe para evangelizar. Somos um povo barulhento e alegre, que luta pela paz, Paz que não é a ausência de guerra... Um povo sempre apressado e atrasado, corrido para ser fiel, mas que pára diante de Deus.  Somos diferentes no vestir, no falar, no comer, nas saídas do final de semana, na obediência de tudo pedir, mas somos jovens, somos felizes, somos aquilo que Deus quer. Queremos corresponder ao Amor, queremos fazer a diferença, queremos rezar o terço, andar com a Bíblia e ir ao grupo de oração. Queremos ser uma loucura sadia. Somos um povo Eucarístico, que vai à Missa e não olha no relógio o quanto ela demora a passar. Temos ministério, vigília e retiros, somos os Tomés de hoje que levaram o Choque da Ressurreição. Somos uma Companhia de Pesca, somos uma Vinha. Somos uma Voz. Somos inocentes de um chamado Divino. Somos protagonistas de uma resposta eterna. Somos o abismo alcançado por Deus. Somos uma família e nela o feliz terceiro. Somos provados e aprovados, um povo conduzido pelo Espírito, que não pode cessar de louvar. Somos aqueles que também passam pela Cruz, que se humilham sob a Poderosa Mão de Deus, gerados no ventre de Maria, a Rainha da Paz, Esposa do Espírito e Porta do Céu.  Somos um povo que faz tudo que Jesus inventar, seja na lanchonete ou na rádio, no Halleluya ou em qualquer outro lugar. Somos um povo sem língua oficial,  vocacionados à Universalidade, com raízes no Céu. Nossa linguagem é a Gratidão. Somos um povo fulano de TAU, somos SHALOM PARA SEMPRE.

23 de maio de 2012

Aos trancos e barrancos


“Ainda que o mundo venha abaixo, haveremos de prosseguir.”  Santa Teresa D´Avila

A frase acima é uma das minhas prediletas de Teresa. A frase revela a força de uma alma apaixonada por Deus, que mesmo consciente de suas fraquezas e das dificuldades enfrentadas, conheceu o caminho da perseverança, do prosseguir, do continuar, do ir até o fim.  

Seria muito bom se fosse tudo muito fácil na vida cristã! Que durante a nossa caminhada para Deus nada saísse do lugar, tudo permanecesse tranquilo como um lago, calmo como a brisa e fácil como descansar na casa de praia.

Na verdade, experimento outra realidade. Parece que vou mesmo é “aos trancos e barrancos”, caindo e levantando, nas lutas sem fim, no cansaço que não descansa, na labuta do começar sempre de novo, no desejo constante de ser fiel;  caminhando sem forças, esperando sempre além, indo mais longe do que meus  próprios passos, testemunhando tudo desabar, sem aviso prévio, sem chance de voltar.

É um verdadeiro mar agitado por fortes ondas de tentações, uma ventania de medos e a experiência de nem mesmo ter onde “repousar a cabeça” ou mesmo o coração. Uma sábia irmã de comunidade costumava dizer que quem quer “sombra e água fresca” não deve se meter com o Espírito Santo! E que verdade!

Verdade porque Deus tem a capacidade de nos desinstalar continuamente de nossas seguranças, de fazer o mundo girar de cabeça para baixo, de testar os limites da nossa lógica, de desfazer qualquer planejamento em fração de segundos e de recomeçar todo o processo novamente minutos depois. Tudo isso porque Ele se especializou em nos salvar. E se Ele permanecer no controle das nossas vidas, o mundo pode cair e desabar, venha o que vier, seja o que for, prosseguiremos por Sua Graça e veremos que nada pode impedir que a vontade Dele se cumpra em um coração decidido a ir até o fim.

Quando menos tenho forças, para que a Graça prevaleça diante da minha pequenez, gosto de dizer baixinho, para que Deus escute como um pedido, “não por presunção, mas por vocação”, que “ainda que o mundo venha abaixo”, quero, desejo e preciso prosseguir.

Santa Teresa, Rogai por nós!

16 de maio de 2012

Alarga o espaço da tua tenda...


“Entoa alegre canto, ó estéril, que não deste à luz; ergue gritos de alegria, exulta, tu que não sentiste as dores de parto, porque mais numerosos são os filhos da abandonada do que os filhos de uma esposa, diz Iahweh. Alarga o espaço da tua tenda, estende as cortinas das tuas moradas, não te detenhas, alonga as cordas, reforça as estacas, pois hás de transbordar para a direita e para a esquerda, a tua descendência se apoderará de outras terras e repovoará cidades abandonadas.” Is 54,1-3

Essa passagem de Isaías sempre me tocou muito porque Deus faz uma promessa! Uma alegre promessa, cheia de esperança! Uma promessa de fecundidade, uma promessa de amor. Mas Ele pede que a tenda seja alargada e reforçada para acolher os frutos da promessa, que serão transbordantes! 

Quando penso nisso, penso que, muitas vezes, Deus “aparentemente” demora a cumprir suas promessas para nos esperar. Ele espera que preparemos a tenda, que alarguemos o nosso coração para receber tudo o que Ele quer nos dar.

Que mistério belo! Deus que pode fazer tudo, inclusive uma tenda nova e maior, mas que respeita o tempo dos nossos limites e o espaço da nossa liberdade para cumprir seu querer em nós. Deus que anseia por nos fazer felizes, mas não ultrapassa nossa humanidade de maneira esmagadora.  Deus que espera que alonguemos as cordas. Ele que espera o nosso crescer. 

Ao mesmo tempo, penso que a tenda só cresce e que o espaço só se multiplica quando estamos com o coração aberto ao novo de Deus. Não é uma mágica, é um encontro de vontades, uma adesão pela fé, um acreditar sem ver e uma lógica irracional. A abertura a Deus e a docilidade de coração fazem o Amor dilatar os espaços, aproveitar e reaproveitar cada estrutura interior, como um designer que parece ampliar o ambiente, como um engenheiro que constrói além do imaginável ou como um arquiteto que planeja o implanejavel.

É tempo, portanto, de alargar o espaço da tua tenda, estender as cortinas das tuas moradas, não te deteres, alongar as cordas, reforçar as estacas, dando tempo para que Deus te espere e decidindo esperar por Deus que te fará transbordar para a direita e para a esquerda, que  te abençoará sem medida e que multiplicará o espaço do teu coração para muito além da tua esperança.

1 de abril de 2012

A Semana Santa do Amor


E o Amor mais uma vez prevalece. Caminha rumo ao seu destino, renova  a sua chegada e reafirma a sua permanência. E o Amor mais uma vez acontece. Cumpre a sua missão, alcança quem estava longe, aproxima quem já estava perto. E o Amor mais uma vez confunde. Coloca o mundo de cabeça para baixo na sua loucura insana de ir até o fim. E o Amor mais uma vez revela o Seu Nome, Seu endereço, Sua forma de Amar. E o Amor mais uma vez morre para dar a vida, para curar a ferida e proclamar vitória sobre a dor. E o Amor mais uma vez escandaliza, choca com a coragem de não desistir, de tentar mais uma e mais outra vez. E o Amor mais uma vez ressuscita, renova a esperança e incentiva a luta de cada dia. É o extraordinário Mistério possibilitando a vivência do comum. E o Amor mais uma vez restaura, abre um novo caminho e atesta como verdadeira a fé. E o Amor mais uma vez adentra, reinventa, contenta, sustenta e enfrenta a indiferença do que se perdeu. E o Amor mais uma vez desafia o entendimento e o pensamento, indo além do limite da razão. O caminho já foi feito, as portas já se abriram,  o Amor já se fez e fez tudo mais uma vez, portanto, sejam todos bem vindos à Semana Santa do Amor...