Social Icons

twitterfacebookShalomvaticanorss feedemail

23 de maio de 2012

Aos trancos e barrancos


“Ainda que o mundo venha abaixo, haveremos de prosseguir.”  Santa Teresa D´Avila

A frase acima é uma das minhas prediletas de Teresa. A frase revela a força de uma alma apaixonada por Deus, que mesmo consciente de suas fraquezas e das dificuldades enfrentadas, conheceu o caminho da perseverança, do prosseguir, do continuar, do ir até o fim.  

Seria muito bom se fosse tudo muito fácil na vida cristã! Que durante a nossa caminhada para Deus nada saísse do lugar, tudo permanecesse tranquilo como um lago, calmo como a brisa e fácil como descansar na casa de praia.

Na verdade, experimento outra realidade. Parece que vou mesmo é “aos trancos e barrancos”, caindo e levantando, nas lutas sem fim, no cansaço que não descansa, na labuta do começar sempre de novo, no desejo constante de ser fiel;  caminhando sem forças, esperando sempre além, indo mais longe do que meus  próprios passos, testemunhando tudo desabar, sem aviso prévio, sem chance de voltar.

É um verdadeiro mar agitado por fortes ondas de tentações, uma ventania de medos e a experiência de nem mesmo ter onde “repousar a cabeça” ou mesmo o coração. Uma sábia irmã de comunidade costumava dizer que quem quer “sombra e água fresca” não deve se meter com o Espírito Santo! E que verdade!

Verdade porque Deus tem a capacidade de nos desinstalar continuamente de nossas seguranças, de fazer o mundo girar de cabeça para baixo, de testar os limites da nossa lógica, de desfazer qualquer planejamento em fração de segundos e de recomeçar todo o processo novamente minutos depois. Tudo isso porque Ele se especializou em nos salvar. E se Ele permanecer no controle das nossas vidas, o mundo pode cair e desabar, venha o que vier, seja o que for, prosseguiremos por Sua Graça e veremos que nada pode impedir que a vontade Dele se cumpra em um coração decidido a ir até o fim.

Quando menos tenho forças, para que a Graça prevaleça diante da minha pequenez, gosto de dizer baixinho, para que Deus escute como um pedido, “não por presunção, mas por vocação”, que “ainda que o mundo venha abaixo”, quero, desejo e preciso prosseguir.

Santa Teresa, Rogai por nós!

16 de maio de 2012

Alarga o espaço da tua tenda...


“Entoa alegre canto, ó estéril, que não deste à luz; ergue gritos de alegria, exulta, tu que não sentiste as dores de parto, porque mais numerosos são os filhos da abandonada do que os filhos de uma esposa, diz Iahweh. Alarga o espaço da tua tenda, estende as cortinas das tuas moradas, não te detenhas, alonga as cordas, reforça as estacas, pois hás de transbordar para a direita e para a esquerda, a tua descendência se apoderará de outras terras e repovoará cidades abandonadas.” Is 54,1-3

Essa passagem de Isaías sempre me tocou muito porque Deus faz uma promessa! Uma alegre promessa, cheia de esperança! Uma promessa de fecundidade, uma promessa de amor. Mas Ele pede que a tenda seja alargada e reforçada para acolher os frutos da promessa, que serão transbordantes! 

Quando penso nisso, penso que, muitas vezes, Deus “aparentemente” demora a cumprir suas promessas para nos esperar. Ele espera que preparemos a tenda, que alarguemos o nosso coração para receber tudo o que Ele quer nos dar.

Que mistério belo! Deus que pode fazer tudo, inclusive uma tenda nova e maior, mas que respeita o tempo dos nossos limites e o espaço da nossa liberdade para cumprir seu querer em nós. Deus que anseia por nos fazer felizes, mas não ultrapassa nossa humanidade de maneira esmagadora.  Deus que espera que alonguemos as cordas. Ele que espera o nosso crescer. 

Ao mesmo tempo, penso que a tenda só cresce e que o espaço só se multiplica quando estamos com o coração aberto ao novo de Deus. Não é uma mágica, é um encontro de vontades, uma adesão pela fé, um acreditar sem ver e uma lógica irracional. A abertura a Deus e a docilidade de coração fazem o Amor dilatar os espaços, aproveitar e reaproveitar cada estrutura interior, como um designer que parece ampliar o ambiente, como um engenheiro que constrói além do imaginável ou como um arquiteto que planeja o implanejavel.

É tempo, portanto, de alargar o espaço da tua tenda, estender as cortinas das tuas moradas, não te deteres, alongar as cordas, reforçar as estacas, dando tempo para que Deus te espere e decidindo esperar por Deus que te fará transbordar para a direita e para a esquerda, que  te abençoará sem medida e que multiplicará o espaço do teu coração para muito além da tua esperança.